sexta-feira, 17 de setembro de 2010

O MORUMBI É NOSSO PARTE DOIS. SÃO PAULO 1 X 3 INTER

A semi-final da Libertadores de 2010 teve mais um capítulo no Estádio já conhecido pelos Colorados, mas agora pelo brasileiro. O Bi-Campeão da América voltou a jogar com a bravura que sempre o marcou: forte marcação de todos de vermelho, a troca de passes na casa e dentro do campo adversário, mostraram a ampla superioridade do Inter sobre o Tricolor paulista. Com gols de Wilson Mathias, Leandro Damião e Giuliano, a Academia do Povo fez 3 a 1 ao natural. No próximo confronto, o Beira-Rio te espera neste domingo, para enfrentar o Vasco às 16hrs.


A ótima atuação do meio de campo fizeram a diferença a favor do Campeão de Tudo. Com uma dupla de volantes bem posicionada, um D'Alessandro inspirado e dando o ritmo ao time, a bola começou a rolar e o Inter não demorou para mostrar porque tem boas lembranças do Morumbi. Com a marcação adiantada e trabalhando bastante a bola, os comandados de Celso Roth mandaram os donos da casa para o campo de defesa. Wilson Mathias em rebote de cobrança de falta fez o 1 a 0.

Em lance na entrada da área para Giuliano, que passou Leandro Damião e encobriu Rogério Ceni com classe para fazer 2 a 1. Somente após o 3 a 1, os de vermelho sentiram a tranquilidade para administrar a partida, diminuindo o ritmo do jogo. Roth promoveu a entrada de Edu, para segurar a bola no ataque. No fim do jogo, os donos da casa ainda tentaram descontar no abafa, porém sem êxito e ainda tiveram de ouvir “olé”, enquanto o Inter trocava passes no Morumbi, que, nessa noite, mais pareceu o Beira-Rio.

São Paulo 1 x 3 Inter

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean (Ilsinho), Xandão, Miranda e Richarlyson; Cleber Santana, Rodrigo Souto, Jorge Wagner (Carlinhos Paraíba) e Lucas; Dagoberto (Marlos) e Fernandão.
Técnico: Sérgio Baresi

INTER: Renan; Nei, Bolívar, Índio e Kleber; Wilson Matias, Glaydson, Tinga, Giuliano (Edu) e D'Alessandro (Andrezinho); Leandro Damião.
Técnico: Celso Roth

Gols:São Paulo: Cleber Santana (20min/1ºT) Internacional: Wilson Matias (10min/1ºT), Leandro Damião (38min/1ºT), Giuliano (17min/2ºT)
Cartões amarelos:
São Paulo: Miranda, Jorge Wagner, Xandão, Lucas e Cleber Santana
Internacional: Nei, D’Alessandro, Giuliano (3º), Índio e Glaydson (3º)
Público: 13.117
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)
Assistentes: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa/RJ) e Marco Antonio Martins (SC)

Fonte: http://www.scinternacional.net/

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

UM DUELO DE GIGANTES

Inter e São Paulo formam sem dúvida nenhuma um dos maiores clássicos do Brasil e do mundo. Estão em campo nada mais nada menos que 4 mundiais, 5 libertadores, 3 recopas, 9 brasileiros entre outros títulos importantes no currículo desses dois gigantes, que tornaram-se os maiores vencedores da década. O Colorado sempre que conquistou a Libertadores, passou no mata-mata pelo tricolor paulista em 2006 e 2010. Já o São Paulo, conquistou o seu tetra nacional em 2006, e deixou o Inter com o vice na época.


Os dois clubes já se enfrentaram 54 vezes em competições oficiais, com leve vantagem para os paulistas: 21 vitórias do SP, 16 do Inter e 17 empates. O tricolor do Morumbi marcou 73 gols contra 60 dos gaúchos.

Nesta quinta, os dois clubes entram em situações opostas: a Academia do Povo vem de uma conquista continental e uma caída de rendimento pós-título, já o São Paulo, tentando se reerguer após uma temporada desastrosa e em busca de algo mais para brigar nesse brasileiro.

Dirigente do SP torce para o Inter no mundial

Em entrevista ao Correio do Povo, o supervisor de futebol do Tricolor Paulista, Marco Aurélio Cunha, garante que não há rivalidade entre os dois clubes e tampouco sentimento de vingança para a partida desta quinta: “Não existe ressentimento. Não tem nenhum problema perder para o campeão. Perder para o campeão é uma honra. Somente os grandes perdem para os grandes”.

“Eu enalteço o Inter e, mais do que isso, torço para que seja campeão Mundial em Abu Dhabi para fortalecer o Brasil. Até para mostrar à Europa a qualidade dos nossos jogadores e a potencialidade dos nossos clubes”.

Cunha argumenta que o Inter é um clube extremamente regionalista. Apesar de considerar isso como algo positivo, ele faz uma crítica: “Se você quer ser conhecido internacionalmente, você não pode fechar as tuas fronteiras. Existem torcedores do Inter em todo o Brasil que são migrantes gaúchos, mas o clube tem condições de conquistar a torcida de outras pessoas que não nasceram no Rio Grande do Sul.” O supervisor de futebol também ressaltou a proximidade das duas instituições. “Tomamos decisões parecidas, temos ideologias de futebol próximas, salvo essa diferença de regionalismo, que o Inter tem e o São Paulo não. O nosso clube é uma Nova Iorque. Aqui não temos a tradição de raiz tão forte, por isso temos a facilidade de nos nacionalizar.”

Fonte: http://www.scinternacional.net/

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

INTER VACILA E SÓ EMPATA COM O GOIÁS

Ataque de garotos não conseguiu superar a defesa goiana

Em uma tarde de domingo chuvoso no Beira-Rio, o Inter foi pouco produtivo e só empatou em 0 a 0 com o Goiás. Tanto Harlei quanto Renan foram os destaques ao fazerem boas intervenções. A partida foi válida pela 21ª rodada do Brasileirão.


A partida ainda marcou a estreia de Eduardo Sasha, que teve uma atuação discreta. O jogador – com Leandro Damião e Marquinhos – formou um ataque de garotos na segunda etapa, já que D'Alessandro, Tinga e Giuliano foram substituídos.

Mesmo com o empate, o Inter subiu para quinto no Brasileirão, com 32 pontos. Já o Goiás permaneceu na lanterna com 17.

Primeiro tempo movimentado


Foto: Diego Vara

O time colorado levou um susto logo no início, a partir de uma falha individual. Após erro de passe de Giuliano no meio, a bola sobrou para Wendel, na direita, que cruzou na área. Rafael Moura ajeitou de cabeça e Bernardo, livre dentro da área, bateu rasteiro. Com os pés, Renan fez excelente defesa. No rebote, Júnior bateu cruzado com muito perigo.

A resposta colorada não demorou. A volta de D'Alessandro ao meio campo acrescentou qualidade no toque de bola. Aos sete minutos, o gringo achou Leandro Damião na entrada da área. O centroavante bateu de canhota e Harlei espalmou pela linha de fundo.

D'Ale e Damião eram os colorados mais perigosos. Aos 11 minutos, o gringo cruzou da meia-esquerda e o centroavante desviou de cabeça para fora. Em seguida, o camisa 10 cobrou falta da intermediária e o goleiro fez outra boa defesa.

Os dois jogadores ainda repetiram a jogada. Em novo chute de fora da área, D'Alessandro testou Harlei, em bola colocada. E aos 35, Damião desviou de cabeça, após cruzamento do argentino.


Foto: Diego Vara

O Inter dominava a posse de bola, mas não conseguia transformar isso em efetividade. No final, quase foi surpreendido. Bernardo cobrou falta da intermediária e Renan desviou por cima da meta.

Segundo tempo moroso

Na segunda etapa, mais uma vez, Celso Roth fez mudanças sem alterar a formação inicial: colocou Giuliano na direita e D'Ale na esquerda. Apagado no primeiro tempo, o camisa 11 fez excelente jogada logo no primeiro minuto. Na ponta, deixou Marcão caído no gramado e cruzou certinho para Damião cabecear. Bem colocado, o arqueiro goiano fez outra boa defesa.

O Inter tinha acelerado o passo para tentar abrir o placar e atuava todo no campo de ataque. Aos nove, Nei fez grande lançamento. Achou Tinga na área, que cruzou rasteiro e Damião tocou pela linha de fundo, desperdiçando grande chance.

Claramente, o propósito do Goiás era o de sair com um empate do Beira-Rio. Assim, o técnico Jorginho tirou o meia Romerito para a entrada do volante Amaral. A resposta de Roth foi ao promover a estreia de Eduardo Sasha no time principal. O atacante substituiu Giuliano. Pouco depois, Andrezinho entrou na vaga de D'Alessandro.

Foto: Diego Vara

Pelo time gaúcho, as alteração não surtiram efeito e a equipe colorada criava pouco. A marcação do Goiás era forte e evitava as jogadas de ataque do Inter. Roth ainda fechou as alterações ao colocar Marquinhos na vaga de Tinga, formando um ataque de garotos.

A partida foi monótona até o final do segundo tempo. A verdade é que as mudanças pioraram o time do Inter. O time não fez por merecer a vitória e deixa de conquistar mais dois pontos importantes que farão falta na reta final do Brasileirão.

Próxima rodada

Na quarta-feira o desafio do Inter é contra o São Paulo. A partida será às 21h, no Morumbi.